Aposentados Intelectuais


AposentadoQuando vejo as reportagens nos telejornais que falam sobre vagas de emprego para pessoas mais velhas, me preocupo. Muitos profissionais com 45, 50 anos estão com dificuldades de encontrar um trabalho. Para o mercado, eles são considerados velhos.

Num certo momento da sua vida, depois que você forma uma família, tem filhos, e passa da faixa dos 20 anos e chega à casa dos 30, você começa a se preocupar mais com o futuro do que viver o presente. Ainda mais que ano após ano, a medicina evolui, a qualidade de vida aumenta e com ela a expectativa de vida que antes para um homem era de 60 a 65 anos, hoje já passa dos 70. Nunca tinha parado pra pensar que posso viver até 80 ou 90 anos.

E como fica a minha carreira? A aposentadoria conseguira me sustentar por 20 anos? Até lá, será que o governo não mudará as regras? Também serei considerado velho para o mercado de trabalho? Muitas dúvidas, mas em uma conversa informal com um amigo, ele me passou um ponto de vista muito interessante: Seremos a primeira geração que trabalha com a mente, com o intelecto a chegar à aposentadoria. E isto muda tudo!

Nossos avós e nossos pais viveram numa época em que o trabalho braçal ainda era maioria. Indústrias, construção, serviços entre outros ramos exigem vigor físico e por isto, ao chegarem a certa idade, encontram dificuldades para continuar no mercado de trabalho. Já hoje, várias profissões principalmente na área de TI exigem saúde mental do que vigor físico. E isto, com o passar dos anos, somando as experiências adquiridas, só fará com que nós continuemos aptos a trabalhar, mesmo com 60, 70 ou 80 anos.

Tirem como exemplo os míticos programadores em Cobol. Praticamente toda a estrutura bancária de hoje ainda sobrevive em cima desta linguagem, que funciona, não dá problemas e por isso não tem por que mudar. Logo, senhores e senhoras que trabalharam no desenvolvimento desta estrutura são disputados a tapa hoje pelo mercado para continuarem o que começaram. Quem garante que Java e C# serão as linguagens da moda daqui a 30 anos? Olha só o que aconteceu com o Visual Basic 6 e Delphi. Temos uma base grande de aplicações rodando, porém a busca por estas linguagens vem caindo nos últimos 10 anos. Quem dará manutenção nestes códigos no futuro? Olha só, em 10 anos o mercado já mudou, imaginem em 30 anos. (Veja a movimentação desse rank no artigo: Tiobe – Janeiro de 2011).

Então meus caros amigos que compartilham desta mesma preocupação. Depois que comecei a enxergar o futuro por este ponto de vista, passei a me preocupar menos com ele e viver mais o presente.

Últimos 5 artigos de Fernando Fonte

Sobre Fernando Fonte

De Campinas-SP, bacharel em Ciência da Computação. Atua como Analista Programador em uma empresa de tecnologia. Tem experiência no desenvolvendo de softwares para comunicação e controle de hadware via porta serial e sistemas ERP. Possui conhecimento em sistemas operacionais Windows, programação Delphi e Visual Basic 6 e Banco de Dados SQL Server e MySQL. Atualmente estuda C# e Android. Tem interesse em Jogos, Celulares, Smartphones, Notebooks e tudo que for relacionado a tecnologia. Fundador deste site e editor chefe, convidou amigos para lhe ajudar com este projeto.

Deixe uma resposta