O que faz o inglês ser tão difícil? 22


desesperadoHoje ao termino da aula para turma de tecnologia fiquei por alguns minutos em na sala conversando com um grupo de alunos interessado em tirar dúvidas sobre a matéria e batendo um papo sobre o mercado de TI. Um dos assuntos da ocasião foi a importância/exigência do inglês para o profissional de TI. Mencionei que detestava estudar inglês na época de faculdade, era pegar um livro para estudar que dava sono, pensei em fazer um curso mas além de não ter grana para pagar um, os relatos de amigos que já faziam curso de inglês não era muito animador. Todos mesmo após anos de curso não sentiam confiança para falar inglês. Até que um belo dia notei que havia algo errado…

Estudar inglês não deveria ser tão difícil assim. Notei que o que estava errado era a forma (metodologia) de aprendizado. Eu estudava inglês usando um livro de gramática de uma conhecida escola. Comecei a pesquisar sobre formas de estudo de línguas e minha vida mudou quando eu descobri a diferença entre Language Acquistion & Language Learning.:

LANGUAGE ACQUISITION (ASSIMILAÇÃO):

Language acquisition refere-se ao processo de assimilação natural, intuitivo, subconsciente, fruto de interação em situações reais de convívio humano, em que o aprendiz participa como sujeito ativo. É semelhante ao processo de assimilação da língua materna pelas crianças; processo este que produz habilidade sobre a língua falada e não conhecimento teórico; desenvolve familiaridade com a característica fonética da língua, sua estruturação e seu vocabulário; é responsável pelo entendimento oral, pela capacidade de comunicação criativa. Uma abordagem inspirada em acquisition valoriza o ato comunicativo e desenvolve a autoconfiança do aprendiz.

Exemplo clássico de language acquisition são os adolescentes e jovens adultos que residem no exterior durante um ano através de programas de intercâmbio cultural, atingindo um grau de fluência na língua estrangeira próximo ao da língua materna, porém, na maioria dos casos, sem nenhum conhecimento a respeito do idioma. Não têm sequer noções de fonologia, nem sabem o que é perfect tense, verbos modais, ou phrasal verbs embora saibam usá-los intuitivamente.

LANGUAGE LEARNING (ESTUDO FORMAL):

O conceito de language learning está ligado à abordagem tradicional ao ensino de línguas, assim como é ainda hoje geralmente praticada nas escolas de ensino médio. A atenção volta-se à língua na sua forma escrita e o objetivo é o entendimento pelo aluno da estrutura e das regras do idioma através de esforço intelectual e de sua capacidade dedutivo-lógica. A forma tem importância igual ou maior do que a comunicação. Ensino e aprendizado são vistos como atividades num plano técnico-didático delimitado por conteúdo. o caso do inglês ensina-se por exemplo o funcionamento dos modos interrogativo e negativo, verbos irregulares, modais, etc. O aluno aprende a construir frases no perfect tense, mas dificilmente saberá quando usá-lo.
Exemplo clássico de language learning são os inúmeros graduados em letras, já habilitados porém ainda com extrema dificuldade em se comunicarem na língua que teoricamente poderiam ensinar.

Fonte: sk.com.br

De posse deste conhecimento percebi que devia mudar a forma de como estudar. Através das dicas do site http://successfulenglish.com (mantido por Warren Ediger um especialista no assunto) passei a entender melhor sobre Language Acquisition e com os recursos de áudio e texto do site http://www.eslpod.com (mantido por Jeff e Lucy outros especialistas em language acquisiton) passei a estudar sozinho e pude notar grande evolução.

Durante essa conversa com os alunos lembrei-me de um texto escrito por Warren Ediger que retrata bem a mensagem que eu gostaria de passar. Fiz a tradução do texto a minha maneira e o texto original pode ser lido aqui. Segue a tradução:

O que faz o inglês ser tão difícil?
Recentemente um aluno se queixou que estudar inglês é difícil. “Estudei inglês por 8 anos” ele disse, “tive boas notas, Porque não consigo usar o que aprendi ?” O que você diria a ele? O problema é o inglês dele, ou poderia ser alguma outra coisa?

Muitas pessoas veem o inglês como algo difícil. Eles conversam sobre isso.  Escrevem sobre isso. Parece ser um fato aceitável. Mas sera que é verdade? Se for, por quê?

Se estudar inglês é difícil, por quê?
Se estudar inglês é difícil, normalmente é porque nós fazemos ele ser difícil. Uma simples comparação pode ajudar a entender melhor como isso acontece: Brinquedo de criança normalmente precisa ser montado. Os pais geralmente ficam horas (especialmente antes do natal) sentados no chão ou em uma mesa rodeado de pedaços de pequenas peças desses brinquedos.  Os pais trabalham duro, algumas vezes desesperados para montar o brinquedo da do jeito certo antes que seus filhos se levantem na manha seguinte para brincar com o presente.

Muitas pessoas tentam aprender inglês da mesma maneira. Eles reduzem o inglês em pequenos pedaços, instruções ou regras. Para eles, aprender inglês significa memorizar pedaços e regras.  Usar o Inglês se transforma em um processo de tentar lembrar dos pedaços  aplicando as regras correta sobre elas.

Vou pode estar se perguntando, “O que há de errado com isso?” Timothy Gallwey, escritor famoso (do livro Inner Game) ajuda a responder sua pergunta:

Qualquer sistema de instrução [aprendizado] deveria ser feito com o melhor uso possível do aprendizado natural, o processo de aprendizado que já nascemos com ele. Quanto menos instruções interferir neste processo de aprendizado que já esta em nosso DNA, mais efetivo este processo será.

Em outras palavras, nós ensinamos e aprendemos melhor quando cooperamos com nosso processo natural de aprendizagem. O mesmo acontece com a língua. Caso contrário vamos ter como experiência a mesma frustração de muitos estudante que fizeram o inglês ser mais difícil do que precisava ser.

Há uma maneira natural de assimilar o Inglês?
Há algo melhor que pedaços e regras para aprender uma língua ? Existe uma abordagem para desenvolver a língua que aproveite a vantagem de nosso processo natural de aprendizagem ? Sem pensar muito, a resposta é sim!

Dr. Luzy Tse (eslpod.com) descreve dois componentes, ou ingrediente, para o desenvolvimento e manutenção da habilidade linguística. (1) Entrada de informação compreensível (2) Membro de um grupo. Esses dois componentes são diretamente ativo (naturalmente) quando adquirimos nossa primeira língua, e podemos usa-lo novamente quando quisermos adquirir uma nova língua.

Entrada de informação compreensível é ler textos de fácil entendimento e ouvir áudio que seja claro e também fácil de entender. Você assimila uma nova língua quando recebe entrada de informação compreensível que inclui elementos da língua que você ainda não adquiriu.

Dr. Tse descreve uma pesquisa cientifica que mostra que estudante de língua que leem e ouvem muito tem melhor desempenho que aqueles que não fazem isso. Também mostra que a simples leitura resulta em um aumento do vocabulário, conhecimento de gramática, compreensão, habilidade de escrita, pronuncia e até mesmo conversação e compreensão da fala.

A pesquisa também mostra que existe um aspecto psicológico no desenvolvimento de uma língua. Você assimila uma língua mais facilmente quando não esta com medo ou nervoso sobre ela.

Membro de um grupo significa imaginar-se como sendo membro de um grupo de usuário de Inglês como muitos outros no mundo. Se você se identifica com outros usuários de Inglês e acredita ser um deles, você desenvolvera melhor sua habilidade com inglês.

Tente!
Se você esta frustrado com a abordagem de “pedaços e regras” para o desenvolvimento de língua, eu o encorajo a tentar o processo natural descrito por Dr. Tse.

  • Leia e ouça a maior quantidade possível de material compreensível
  • Relaxe e curta o processo, acredite que você também pode se tornar um usuário de inglês
  • Junte-se ao grupo, quando você fizer, será bem vindo.

Se você quer aprender mais sobre o processo natural de assimilar inglês, leias estes artigos:

Aqui no dimensão tech, leia os tópicos sobre inglês

Este texto é uma tradução (a minha maneira) do artigo escrito por Warren Ediger. A versão original pode ser lida aqui: What makes English difficult?

This text is a tranlation of Warren Ediger’s article. The original version can be read here: What makes English difficult?

O que você achou do artigo? Deixe seu comentário expondo sua opinião sobre o aprendizado do Inglês!

Últimos 5 artigos de Eduardo Costa

Sobre Eduardo Costa

De Campinas-SP, bacharel em Sistema de Informação pela Anhanguera Educacional e pós graduado no curso de MBA em Gestão de Projetos e Metodologia do Ensino Superior. Atualmente trabalha como arquiteto e desenvolvedor Java em empresa de desenvolvimento de software de suporte a tomada de decisão, além de ministrar aulas de Orientação a Objeto, Linguagem Java e XML. Já atuou como líder técnico, coordenador de produto e analista de negócios.

Deixe uma resposta

22 pensamentos em “O que faz o inglês ser tão difícil?

  • Leo

    Olá professor!!
    Sempre gostei muito de Inglês, até ter que começar a estudar na faculdade com pessoas de níveis muito avançados, cheguei ao ponto de retroceder em conhecimento. Tenho pavor das aulas de Inglês, e prefiro muito mais o curso de Francês e Espanhol. Bom, a minha dúvida é: Pretendo passar dois meses nos EUA, isso que algum modo ajuda pra quem tá em um nível bem inicial, ainda mais pra quem tá meio traumatizado com a língua? Obrigado.

  • christopher

    Eu tenho 5 anos de inglês no CCAA,e mesmo assim, me considero nível intermediário.Aprendi mais lendo certas palavras em jogos,e leituras que me interesavam :p do que lá.

  • Naason Goncalves

    Aprender Inglês é tão fundamental quanto dominar o nosso português. Eu diria que as pessoas na maioria das vezes ou não têm tempo, ou simplesmente não gostam de cultivar a leitura para manutenção, aprimoramento e aprendizagem de outras línguas também. De todo o texto que li nesse artigo, o que mais me chamou atenção, foi o seguinte tópico:

    "Dr. Tse descreve uma pesquisa cientifica que mostra que estudante de língua que leem e ouvem muito tem melhor desempenho que aqueles que não fazem isso. Também mostra que a simples leitura resulta em um aumento do vocabulário, conhecimento de gramática, compreensão, habilidade de escrita, pronuncia e até mesmo conversação e compreensão da fala."

    [email protected]

  • Tiago Passos

    Parabéns pelo texto. Muito bom.
    Mas tem um errinho no seguinte trecho "Muitas pessoas veem o inglês como algo difícil. Eles conversão sobre isso. Escrevem sobre isso. Parece ser um fato aceitável. Mas sera que é verdade? Se for, por quê?"

    Seria "conversam" e não "conversão"

    Até logo!

  • Júnior Gon&cc

    Olá, professor! Sou aluno da pós-graduação em desenvolvimento web da FAC 3

    Muito interessante esse ponto de vista sobre o aprendizado do inglês, não conhecia esse método e tudo indica que esse é o caminho para quem deseja realmente aprender inglês. Estava aqui pensando o porquê que as escolas de idiomas não adotam esse método, mas receio que isso iria na contramão dos interesses dos donos de escolas de idiomas tem em manter os alunos pelo maior tempo possível na escola pagando mensalidade.

    Estudo inglês há um ano na escola JET incorpored em Itapira, e para meu alívio, ela não visa somente lucros, mas também na qualidade do ensino que oferece a seus alunos. Além das 2 horas semanais oferecidas como na outras escolas, temos 2 horas de aulas extras que de certa forma utiliza os conceitos da Language acquisition, pois nessas aulas deixamos os livros de lado e aprendemos o inglês do dia-a-dia através de músicas, filmes e conversação com entre os professores e alunos.

    Muito bom o artigo, parabéns!!!
    Abraços

    • Eduardo Costa - Dime

      Olá Júnior, legal ver você por aqui.

      Quando aos métodos tradicionais de aprendizado de inglês, eu não diria que são 100% ineficientes eu diria que a forma de aprendizado se diferencia para cada pessoa e devemos buscar aquela que sentimos confortável. Tem gente que se da bem com essa metodologia de book1, book2 e conseguem sentir evolução no seu inglês. No entanto com certeza há escolas de Inglês que se aproveitam desse nicho de mercado em expansão e estão preocupados apenas em te vender material didático e aula para 'papagaio' (um fala os outros repetem). Mais ainda, fico pasmo quando vejo aquelas propaganda: Fale inglês em x semanas ou propaganda que vende a ilusão que se aprende uma língua da noite por dia.

      Parece brincadeira, mas ja vi na internet um curso de inglês que prometia fazer com que você aprendesse inglês DORMINDO! kkkkk Eles vendiam um KIT de áudio etc… Uma metodologia sem comprovação científica alguma, que é vendida provavelmente para quem esta desesperado em aprender uma língua de forma rápida.

  • Vinicius

    Interessante o seu texto.

    Eu estudei inglês por 8 anos, nos primeiros 3 anos passei por varias escolas de idiomas, não achava 1 que me interessasse, talvez porque eu detestava o inglês… so comecei a aprender e ver resultado do meu aprendizado nos ultimos 4 anos de estudo. Foi quando senti a necessidade (faculdade/estagio/emprego) de aprender o idioma e comecei a encarar o aprendizado de outra forma. Alem da forma de estudos mencionadas nos comentarios anteriores (assistir filmes/series de tv legendado em inglês ou em inglês sem legenda, escutar audios/podcasts sobre noticias, material tecnico da area de TI, ouvir musicas, etc), outra forma que contribiu bastante foi sala de bate papo (com audio) em inglês, reuna seus amigos e conversem um assunto em inglês, isso ajuda a perder o medo.

    Eu tive a oportunidade de fazer um intercambio para o Canada, foi o pulo do gato, foi ai que realmente consegui ter confiança ao falar em inglês. Eu recomendo a quem tiver condições que faça um curso fora do país, e chegando lá, FUJA de brasileiros!!!

    Por que fugir de brasileiros? Porque quando voce esta com brasileiros qualquer duvida que voce tiver, voce vai acabar pedindo ajuda em portugues… quando voce sai com brasileiros você não vai falar em inglês, ou vai? Voce não investiu tão alto para falar portugues né!

    Acredito que o maior problema para os que moram fora do país, é ter um ciclo de amizades com pessoas do mesmo idioma… dependendo aonde voce for morar, tem comunidades gigantes, e se a pessoa so fizer amizade com pessoas do mesmo idioma, aonde ela vai praticar o idioma estrangeiro?! Dai que não desenvolve nada mesmo…

    • Eduardo Costa - Dime

      Olá Vinicius, Obrigado por deixar seu comentário, volte mais vezes.

      Muito interessante sua experiência de inglês no exterior, e mais ainda sua dica: "Fuja de brasileiros", também já ouvi outras pessoas dizendo o mesmo.

  • Thayani Conaggin - D

    Olá! Muito interessante esse artigo… 🙂 E gostaria de fazer um comentário a mais para oferecer a minha visão, depois de conviver e ouvir sobre experiência de brasileiros no exterior + criar um filho num ambiente de diferentes línguas..

    1) Para quem é pai e mãe, podemos facilitar para nossos filhos ao inserir a língua inglesa (ou qualquer outra de preferência da família) na vida da criança desde do dia 1 de vida! Livrinhos infantis, filmes NÃO dublados, músicas, etc… Nosso país possui esse grande problema de dublarmos tudo! Muitos conhecidos somente assistiram filmes legendados a vida toda e por isso não tiveram nenhuma dificuldade quando saíram do país de origem e tiveram que utilizar inglês por exemplo, se acostumarmos nossos filhos desde pequenos, eles não sofrerão o mesmo que estamos "sofrendo" ao tentar aprender outra língua… O melhor resultado para imersão da criança no aprendizado de outra língua acontece até os 12 anos de idade aproximadamente.. Então não precisam colocar as crianças nos cursos massantes, coloquem a segunda língua na vida diária da criança, ela vai sentir que isso é parte da vida dela e não um MONSTRO… 🙂

    2) Com relação à nossa geração: não acredito que curso de inglês ajude tanto quanto a oportunidade de imersão que todos falam, o método tradicional ajuda na gramática, mas na fala, ainda estou pra conhecer quem REALMENTE falava inglês o tempo todo em sala de aula. Se existe esse professor ou curso, digo que é muito bom!!! 🙂 E é exatamente disso que se precisa… Porém, também não se enganem que só porque alguém mora fora do Brasil significa que fala inglês fluentemente, aliás, ainda não entendo por quê muitos dos brasileiros que conheço ou me contam de alguém que mora tantos anos aqui e ainda não falam nem o básico ou somente um intermediários sem vergonha… por isso, o mais importante é ATITUDE tbm! Não ter medo da língua e/ou das pessoas é essencial… 🙂

    Abraços

  • Marcelo Brunelli

    Boa tarde Eduardo.
    Somos colegas de profissão do grupo AESA.
    Seu text é muito oportuno.
    Falo por mim mesmo, pois somente quando resolvi abandonar os metódos tradicionais de ensino eu relamente aprendi inglês.
    A diferença no meu caso foi o contato diário com o idioma.
    um dica interessante neste processo, além das que você colocou no texto é ver filmes que conhecemos todas as falas e assisti-los somente no inglês, isso ajuda muito na compreensão do texto.

    forte abraços,

    Marcelo Brunelli

  • Leandro M Malta

    Olá Professor Eduardo.

    Fui seu aluno na FAC4 – Ciência da Computação.

    Realmente o inglês hoje é muito importante. Pena que eu só fui sentir na pele da pior maneira. Perdi três vagas de trabalho na área (TI) por falta do inglês, uma das vagas era um "ESTÁGIO" com salário inicial de R$ 1.400,00 + benefícios.

    Há aproximadamente 11 meses estudo inglês, fui obrigado a fazer um melhor controle dos meus gastos. Hoje sim, eu sei o que é deixar de ir numa festinha pra economizar uma grana. Antes eu sempre dizia que não sobrava dinheiro pro inglês, mas era só falta de vontade em aprender a língua.

    A necessidade me fez correr atrás e me dedicar mais no estudo do inglês além de me fazer perceber que o inglês não é tão difícil quanto possa parecer.

    Parabéns pelo artigo.

    • Eduardo Costa - Dime Autor do post

      Fala Leandro, tudo certo ? Legal seu depoimento, vai ajudar muita gente a abrir os olhos.

      Costumo usar essa formula:

      SORTE = Preparo + Oportunidade

      Quando a gente perde uma oportunidade é azar e quando agarramos uma, os outro dizem que foi sorte, mas ninguém vê quantas madrugadas você passou estudando e se preparando (O sucesso é construido a noite http://www.dimensaotech.com/2008/04/o-sucesso-e-c….

      Sabe o que acho mais frustante Leandro ? É quando alguém termina a faculdade e se da conta que "não sabe nada" pelo simples fato de que faltou esforço. Faltou abrir mão de algumas festinhas, ler aquele livro, fazer alquele exercício, essas coisas "chatas" que só nos damo conta da importância depois.

  • André Albaran

    Boa Tarde professor, sou aluno da FAC3 – Pós em Desenvolvimento de Sistemas para Web. Achei esse artigo muito interessante e muito útil para as pessoas que vão aprender o inglês ou até para aquelas que estão estudando. Estudei inglês com professor particular, porém por motivos pessoais o professor teve que se mudar de cidade, mas ainda continuo estudando por conta, assistindo filmes, tentando escutar e compreender a fala, lendo artigos, livros em inglês para acrescentar o vocabulário. Outra coisa que aponto é que pra quem está na área de TI, é essencial saber inglês, conforme a Jéssica ressaltou a pessoa também tem que ter interesse em aprender, buscar o aperfeiçoamento, bom acho que é isso, um grande abraço!.

  • Fernando Fonte - Dim

    Muito interessante o texto. Eu mesmo nunca consegui me adaptar ao método tradicional que as escolas ensinam o inglês.

    O que eu sei hoje, aprendi desde pequeno jogando com um dicionário do lado. Mas realmente, quem tem a oportunidade de ir para um país que tem o inglês como língua nativa e ficar por lá por alguns meses ou anos, tem uma oportunidade de ouro!

    • Eduardo Costa - Dime Autor do post

      Tais métodos tradicionais se tornaram modelo para o ensino de inglês, porem vão na contra mão do aprendizado natural de uma língua como mostra o texto. Mas o pior não é isso, e quanto aquelas propaganda de APRENDA INGLÊS EM 8 SEMANAS! por exemplo. O que falar ?

  • Jéssica

    Olá, professor! Sou sua aluna da FAC 4 – SI.

    Atualmente estudo inglês já no nivel inicial avançado, somando todos os anos que me dediquei a este idioma, totaliza 5 anos.

    Para aprender mesmo, não basta só frequentar uma escola, tem que ir além, pesquisar material de apoio, filmes, referencias na internet, musicas e até mesmo se possível realizar viagens internacionais cujo idioma nativo seja o inglês. Texto muito bom, pois muitos acham realmente dificil, mais não é assim quando você realmente gosta e tem interesse em aprender.

    • Eduardo Costa - Dime

      Olá Jéssica, obrigado pelo comentário.

      Você mencionou algo importante, tem que gostar do que esta fazendo, do contrario tem algo errado. Por quanto tempo você frequentou escola de inglês ? Fez a diferença no seu aprendizado ?