Café com TI – Caderno Digital 1


Patricia Azevedo, jornalista do Caderno Digital do Correio Popular de Campinas, concedeu-nos uma entrevista falando um pouco de como é estar do outro lado da moeda, ou seja, escrevendo conteúdo de tecnologia para o jornal.

Texto rápido e curto de valor bastante interessante. Vale a pena conferir conosco:

Anderson Camargo -> Patricia, muitas vezes quando entro na sala de aula me deparo com alguns alunos lendo/folhando um caderno ou revista de informática. Como é estar do outro lado, ou seja, escrevendo este conteúdo que é lido por uma porção de pessoas aficionadas por tecnologia? É difícil?

Patricia Azevedo -> É muito complicado para mim porque não sou uma inciada em informática. Sou completamente leiga, vou aprendendo conforme faço as entrevistas, leio e pesquiso. É o maior desafio da minha carreira de jornalista. Já cobri as áreas de Saúde, Polícia, Ciência e Economia, mas a maior dificuldade é escrever sobre tecnologia. Acho que isso ocorre porque o leitor do caderno é geralmente um público iniciado, aficionado mesmo, o que torna a pressão muito maior.

Anderson Camargo -> Existem pessoas técnicas em informática que te assessoram na redação final das matérias que desenvolve ou você mesmo valida?

Patricia Azevedo -> Não, infelizmente não temos assessoria técnica para o fechamento das reportagens. Tenho uma editora que analisa e corrige os textos, mas ela é uma jornalista e, como eu, leiga no assunto. Quando a matéria é muito técnica eu costumo encaminhar o texto para um dos entrevistados avaliar e corrigir. Às vezes recorre a alguém da área de TI da redação para sanar as dúvidas, mas é o máximo que posso fazer.

Anderson Camargo -> De onde vem as ideias para elaborar as reportagens? Tem alguma fonte em especial que te indica os temas de maior relevância onde é certo cativar a atenção do leitor?

Patricia Azevedo -> As pautas são geralmente definidas por mim e pela minha editora. Leio os sites de tecnologia diariamente e procuro notícias que sejam mais adequadas ao leitor do Correio Popular. Eu pessoalmente acredito que as pautas devem ser mais leves, curiosas para que todo o público possa ler. Gosto de imaginar que o leitor do Digital é uma pessoa curiosa que gostaria de saber como funciona a tecnologia por trás de várias coisas. Acho que é atraente saber como a tecnologia pode facilitar a vida de médicos, policiais e chefes, por exemplo. Acredito também que o iniciado vá buscar informações mais técnicas em revistas e sites especializados.

Mas seria muito interessante receber dicas dos leitores. Sinto falta de uma participação maior do leitor neste caderno.

Anderson Camargo -> Atualmente existem muitos blogs na internet que tratam do assunto tecnologia (e outros assuntos também). Você acredita que este tipo de mídia concorre com os tradicionais meios de comunicação como o próprio jornal?

Patricia Azevedo -> Não acredito que concorram porque a credibilidade de alguém desconhecido não é a mesma de uma empresa de comunicação. A internet tem muita informação e muita informação errada também. É importante que o leitor saiba filtrar. Eu, pessoalmente, prefiro sempre informações que estejam ancoradas em empresas sérias. Mas tudo é uma questão de credibilidade. Se a fonte for confiável, tá valendo. Os blogs são um importante meio de comunicação. Acho que eles funcionam mais como um diário em que a pessoa pode desabafar e opinar muito mais do que informar. É um lugar em que você pode ver novas visões do mundo. Não acredito em tudo que leio nos blogs.

Anderson Camargo -> Por fim, qual é o caminho para quem sonha em ser um repórter de um caderno de tecnologia ou mesmo uma revista especializada no assunto. Qual a sua recomendação?

Patricia Azevedo -> Apesar do ministro Gilmar Mendes ter derrubado a obrigatoriedade do diploma, acredito que um jornalista deve passar pela faculdade. Um bom advogado, professor ou historiador, por exemplo, podem não ser um bom repórter ou editor. Acredito que o profissional da tecnologia possa dar uma valiosa contribuição escrevendo artigos (O Digital publica toda semana artigos sobre tecnologia, é só mandar para [email protected]) e concedendo entrevistas. Mas se eles desejam escrever, têm que ler muito e ter sempre em mente que estão escrevendo para leigos (no caso dos jornais). Ouvir o maior número possível de fontes é fundamental para qualquer reportagem. Paciência é fundamental para encontrar essas fontes e a timidez deve ficar em casa, porque um bom jornalista não pode ter vergonha de abordar as pessoas.

Últimos 5 artigos de Anderson Camargo

Sobre Anderson Camargo

De Campinas-SP, bacharel em Análise de Sistemas e pós graduado em Gestão Empresarial (MBA Executivo). Certificado em ITIL, atua como professor do curso de Ciência da Computação na Faculdade Anhanguera Educacional de Campinas.

Deixe uma resposta

Um pensamento em “Café com TI – Caderno Digital

  • Rodrigo Cantarella T

    Essa entrevista me fez lembra que o conceito "O outro lado da moeda", também acontece conosco ( profissionais de tecnologia ), especificamente os Analistas/Desenvolvedores de software, no quesito de compreender a necessidade do cliente para em seguida montar uma SOLUÇÃO "SOFTWARE" que o atenda.

    .

    Observacao: Qdo digo montar uma solução que o atenda, estou me referindo a um software criado exatamente do "JEITNHO" que o cliente pediu. Esse é nosso desafio e existem métodos e cursos no mercado para ajudar os que possuem dificuldades.

    .

    Parabéns pela matéria e parabéns a Patrícia por se aventurar neste mercado que tanto adoramos.

    .

    []s

    Rodrigo Cantarella Teixeira