Google Flu Trends mapeia avanço da Gripe Suína 1


Influenza Virus

Com todo o alarde mundial sobre a iminente pandemia causada pelo vírus H1N1, a gigante Google aparece novamente apresentando a ferramenta Google Flu Trends, que mapeia e categoriza um nível sugerido de risco de contaminação pelo vírus Influenza nas regiões dos Estados Unidos e México, países mais afetados até o momento pela doença.

Os dados considerados são os termos usados nas pesquisas sobre a epidemia, pesquisas estas que aumentaram notavelmente após a notícia da epidemia.

Tal ferramenta já era utilizada somente nos Estados Unidos, porém com o aumento de casos de contaminação pelo vírus ao redor do mundo foi decidido expandir o acesso à ferramenta em nível global e o mapeamento das regiões do México.

Hoje o mundo acordou com a notícia de que a OMS, Organização Mundial de Saúde, aumentou o alerta de gripe suína para 5, em uma escala que vai de 1 a 6, indicando uma iminente epidemia global.

“Descobrimos que alguns termos de pesquisa são bons indicadores da atividade do vírus da gripe suína. O Google Flu Trends usa dados agregados de pesquisas do Google para estimar a atividade do vírus em sua região até duas semanas mais rápido do que os sistemas tradicionais.” – fonte: Google.

Para acessar a ferramenta:

http://www.google.org/flutrends/

Outras fontes:

OMS – Organização Mundial de Saúde

http://www.who.int/

Importante: O Ministério da Saúde disponibiliza informações sobre a doença e dicas para a prevenção, principalmente para aqueles que precisam viajar para as regiões de risco.

http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1534

Dados importantes retirados do PLANO DE PREPARAÇÃO BRASILEIRO PARA O ENFRENTAMENTO DE UMA PANDEMIA DE INFLUENZA:

“Estimativa do Impacto de uma Pandemia de Influenza no Brasil

Os resultados preliminares do estudo de cenários pandêmicos de Influenza no Brasil que está em andamento, utilizando-se um modelo estático, indicam um impacto negativo importante na demanda aos serviços de saúde. Usando-se como modelo taxas de ataque entre 20 e 33% num período de 5 a 8 semanas, significaria a ocorrência de 37 milhões a 61 milhões de casos. Estimando-se 13% da população como pertencente ao grupo de maior risco para as complicações da doença e que, destes, 30% venham a requerer alguma intervenção médica, teríamos 5 milhões de casos complicados apenas entre indivíduos de alto risco. Dentre os doentes que não pertencem a nenhum grupo de risco, esperam-se 13 milhões de casos complicados, o que totaliza 18 milhões de pessoas requerendo atendimento para complicações em todo o Brasil (assumindo-se um cenário intermediário, com taxa de ataque de 25%).

Considerando-se somente o conjunto das capitais brasileiras, o número de casos esperados na faixa etária mais afetada (15 a 59 anos) varia de 4,5 milhões a 10 milhões de doentes, sendo que, destes, espera-se de 500 mil a 2,5 milhões com algum tipo de complicação. Ainda de acordo com este modelo, o número total de leitos requeridos no pico da epidemia para esta faixa etária, para as 27 capitais, seria de 1.000 a 200 mil.

Esta análise preliminar indica ainda que, se houvesse indicação e disponibilidade de antivirais para o tratamento de todos os doentes, a taxa de hospitalização seria reduzida em 40%.”

Fonte: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/plano_flu_final.pdf

Últimos 5 artigos de Gabriel Angeli

Sobre Gabriel Angeli

De Campinas-SP, graduado em Análise de Sistemas pela Universidade Paulista. Atua como desenvolvedor líder em uma empresa de consultoria e desenvolvimento de sistemas E.R.P. Gabriel é fanático por games e também adora animação digital, ficção científica e ufologia.

Deixe uma resposta para GRZ Cancelar resposta

Um pensamento em “Google Flu Trends mapeia avanço da Gripe Suína

  • GRZ

    Imagina o medo do povo do méxico com essa ferramenta. Isso com certeza esta gerando pânico no país. Imagine se fosse aqui no Brasil e você percebesse que a sua região estava em estado de risco com certeza você entraria em pânico. As autoridades da saúde (que entendem mais que o Google quando o assunto é pandêmia) querem acalmar não alardear informações.