Trabalho no Exterior: Currículo (Parte 2)


Trabalho no Exterior: Elaboração de Currículo (Parte 2)

curriculo-180208

Olá! Se você está interessado na elaboração de currículo especificamente para trabalho no exterior, esse artigo refere-se à segunda parte das dicas. Você poderá verificar a primeira parte clicando aqui. Portanto, aqui vão as dicas para as seguintes seções do currículo:

Seção “Conhecimentos Adicionais (Idiomas)”: Lucky me! Se a sua profissão é analista de negócios e não desenvolvedor, os entrevistadores com certeza vão exigir muito mais do seu inglês que deverá ser fluente, eu disse REALMENTE fluente, não como geralmente fazemos no Brasil: “ah, meu inglês é upper-intermediate, então vou colocar fluente no meu currículo” – não adianta – a profissão de analista exige muito da comunicação e um “embromation” não vai funcionar, pelo menos aqui na Inglaterra que já vi pessoas serem cortadas pelo rápido primeiro contato no telefone, e eu nem achava o inglês delas inadequado para analista de negócios. Em compensação, para os desenvolvedores, a exigência aparentemente não é muito grande e isso pode ser comprovado pela minha própria experiência: quando fui aceita para trabalhar no projeto em novembro do ano passado aqui em Londres, eu somente havia me comunicado em inglês por aproximadamente quatro meses na Nova Zelândia e isso dois anos atrás!

Por incrível que pareça, há NOVE níveis de conhecimento da linguagem que você pode colocar no seu currículo:
– Native Speaker: Se você cresceu falando a língua;
– Bilingual: Você não apresenta NENHUMA dificuldade;
– Fluente: Você possui uma vivência na língua em aproximadamente 2 anos, ou seja, você já passou inúmeras situações, inclusive no ambiente de trabalho;
– Excellent: Você tem experiência em muitas situações, inclusive algumas no trabalho, envolvendo inglês para negócio;
– Very Good: Você tem habilidade de se comunicar em muitas situações, porém, não necessariamente no trabalho, explicando idéias mais elaboradas não tão claramente;
– Good: Você se comunica;
– Quite Good: Você tenta se comunicar;
– Conversational: Você sabe dizer OI;
– Working Knowledge: Você entende, lê, mas não consegue se comunicar nem para a mínima necessidade.

Aposto que você riu de algumas das possibilidades, tenho que confessar que acho estranho um “quite good” no currículo e eu ri muito com o “conversational”, mas no curso aprendemos que você deve SEMPRE se expressar com otimismo e as palavras “intermediário” e “básico” por si só não transmitem confiança no que você sabe (mesmo que mínimo) sobre a língua em questão.

Seção “Referências”: Particularmente, somente inclui essa seção no meu currículo quando tive que desenvolvê-lo para os projetos internacionais, acredito que na área de TI no Brasil não exista a cultura de telefonar para antigos chefes ou colegas de trabalho para pedir referências, porém, no exterior eles realmente ligam! E tenho colegas que a empresa também telefonou para a universidade para pedir detalhes do currículo, verificar se realmente a pessoa foi formada naquela instituição de ensino. Embora essa seção seja importante, NÃO coloque o nome de pessoas e contato das mesmas, somente indique em seu currículo: “References available on request”. Dessa forma, você recebe o contato do entrevistador, antes que ele contate as suas referências (aí você corre e compra um presente para aquele amigo de trabalho para qual o entrevistador irá telefonar heheh).

Seção “Conquistas” (Achievements): É importante colocar as principais conquistas em sua carreira, em projetos, com clientes nessa seção, mas somente se houver algo que valha a pena indicar, para eles “terminar o projeto em tempo” não é achievement, é obrigação! Eles estão muito interessados em resultados e com certeza essa vai ser uma das perguntas da entrevista.

Bom, acredito que em geral são essas dicas que farão o seu currículo no mínimo apresentável, obviamente, há muito mais a se dizer e tudo vai depender do país que você deseja enviar o seu currículo e da própria empresa que você estará o enviando. Espero que algumas das dicas tenham sido úteis pra você! Let´s start the job hunt!

Agradecimentos especiais ao professor de inglês e alguns profissionais de recursos humanos que quando precisei, ao longo da elaboração do meu currículo, ajudaram com algumas dessas dicas.

Últimos 5 artigos de Thayani Conaggin

Sobre Thayani Conaggin

De Londres-UK, bacharel em Analise de Sistemas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e Técnica em Processamento de Dados pelo Cotuca. Trabalhou na área por aproximadamente 10 anos. Iniciou sua carreira como estagiária no Hospital de Clinicas da Unicamp em 1999 e, desde então, trabalhou com diversas tecnologias, sendo os últimos anos dedicados à programação Java. Devido ao aumento expressivo de empresas internacionais investindo em outsourcing no Brasil, em 2006 resolveu investir na comunicação através do estudo da língua inglesa e devido a isso, trabalhou em projetos para clientes internacionais. Atualmente mora em Londres e após realizar curso de business english assim que chegou no pais, não trabalha por motivos pessoais, porém mantém-se atualizada através de desenvolvimento de websites pessoais. Seus objetivos estão relacionados à área de analise de negócios.

Deixe uma resposta