Fui escolhido. E agora? 3


gravataNo início da carreira em TI muitas vezes somos escolhidos para ocupar uma determinada vaga ou posição. Isto se deve ao fato de que existem mais candidatos do que oportunidades e, quando conseguimos uma de fato nos sujeitamos a aceitar sem muitos questionamentos.

Eu me lembro do Paulão, que assim como eu se candidatou para uma vaga de estágio numa grande multinacional. Naquela época a gente fazia “ficha” e se sujeitava a uma espécie de triagem chamada exame psicotécnico. Na verdade nenhum de nós sabíamos ao certo para que era a vaga, mas sabíamos que era para atuar em informática. O candidato a estagiário não tem muito o costume de perguntar qual a necessidade da empresa; está mais preocupado em entrar e acaba acreditando logo que ali é o melhor dos mundos.

Bom, nós dois acabamos sendo selecionados só que o Paulão foi para área de aplicações e eu para infraestrutura. Naquela época nem sabíamos ao certo diferenciar uma região da outra e nossa crença é que estávamos ali para programar. Passado alguns meses dentro da empresa e de posse da compreensão do que se tratava a área de suporte numa grande organização disse para mim mesmo : “puxa vida dei sorte, pois não preciso programar”. Já o Paulão, deu azar; ele havia descoberto que todo aquele período acadêmico onde aprendeu programar não correspondia com o futuro profissional que imaginava para ele mesmo. Acabou pedindo para sair e eu acabei ficando.

Um dos maiores erros de um estagiário é aceitar a primeira oportunidade que lhe aparece; depois, uma vez empregado, quando descobre sua verdadeira vocação acaba por se ver em apuros ao tentar redirecionar seu caminho. Mas, lembre-se, nunca é tarde para se movimentar. Portanto, se a situação lhe permitir, não tenha pressa em aceitar uma proposta, mas também não fique refletindo muito afinal é somente experimentando que vai descobrir seu caminho.

Ah! o Paulão hoje ainda trabalha com TI, mas é gerente comercial; ele e a máquina sozinhos o dia todo jamais iriam dar certo.

Últimos 5 artigos de Anderson Camargo

Sobre Anderson Camargo

De Campinas-SP, bacharel em Análise de Sistemas e pós graduado em Gestão Empresarial (MBA Executivo). Certificado em ITIL, atua como professor do curso de Ciência da Computação na Faculdade Anhanguera Educacional de Campinas.

Deixe uma resposta

3 pensamentos em “Fui escolhido. E agora?

  • Eli Hoffmann

    Experimentar é realmente uma das melhores maneiras de identificar a vocação profissional, principalmente numa área tão ampla como a de tecnologia da informação e o estágio é uma excelente oportunidade. Devemos aliar essa experimentação com o autoconhecimento, para identificar o que nos deixa satisfeitos, realizados e motivados, pois é isso que realmente faz a diferença no trabalho. Não quero dizer que dinhero e reconhecimento não são importantes, mas aquele que possui o privilégio de estar satisfeito com o que faz e a capacidade de gerar o autoreconhecimento, possui uma chance muito maior de não depender dos outros para se motivar: a satisfação profissional fica bem mais perto!

  • Angelo Lima

    Hahahahaha, exatamente, to a 9 anos no mercado e ja passei muito dessa, na verdade começei com montagem e manutenções de micros, logo em seguinte em SP, consegui em uma empresa de TI a vaga como estagiário ( CAMELO pra ser mais preciso ) andava pra cima e pra baixo com uma pasta chei de ferramentas, algumas memórias, hds e cd de instalação dando suporte nas empresas, logo em seguida aprendi sobre servidores e cabeamento estruturado, ai ja não ficava pra cima e pra baixo andando com a malinha de busão … quando sim era agendada a minha visita para solucionar problemas nos servidores e na rede. Hoje Sou Analista de internet, Programo em 3 linguagens e 3 tipos de bancos de dados. hahahahaha … a vida é assim mesmo ! Eu apostaria que o estagiário sim deve entrar no que lhe propôem, alias nossa area é totalmente fragmentada.

    grande abraço.

  • Douglas - ZetaSoft

    Muito legal.

    É exatamente como acontece com a maioria dos meus amigos de escola.

    Muitos deles se iludem com propostas de trabalho e acabam vendo que não é bem o que imaginavam.

    Parabens pelo artigo!!!