Quer pagar quanto? 2


Pagar quanto

O objetivo deste artigo não é fornecer nenhum item técnico sobre precificação, mas sim, oferecer alguns conceitos e orientações para que o profissional desenvolva sua própria técnica.

Quando se fala em qual valor cobrar pela sua solução apresentada para o cliente logo temos duas formas distintas:
Horas trabalhadas vs Projeto fechado.

A primeira é a mais exercida. É necessário que seja utilizada alguma metodologia para medir o valor da hora trabalha ou mesmo o valor do projeto como um todo, e para que isso seja feito da melhor maneira é essencial que o responsável pelo projeto tenha conhecimentos sobre economia e contabilidade.

Agora para tentar chegar ao ponto que gera polêmica vou contar uma estória que ouvi de um gerente em uma empresa que trabalhei.

Reza a lenda que certa vez, uma grande empresa, dona de uma grande e moderna máquina, da qual dependia toda a sua produção, subitamente enfrentou um grave problema: essa máquina parou e não existia técnicos na empresa para concertá-la. Foi então que contrataram um famoso engenheiro mecânico para pôr essa preciosa máquina para funcionar. Como não sabia exatamente qual a origem do problema, nem como poderia concertá-lo, o engenheiro não disse de imediato o valor do seu trabalho. Faria isso após o concerto ser realizado. Já chegando, deparou-se com um imenso painel repleto de milhares de parafusos que faziam a regulagem da máquina. Após ouvir atentamente o relato dos operários e de analisar por alguns minutos o painel, o engenheiro pediu uma chave-de-fenda e apertou 3/4 de volta um dos para fusos. Nesse instante, a máquina voltou a funcionar. Após calorosos aplausos, o diretor-presidente da empresa perguntou quanto deveria pagar ao engenheiro, no que este respondeu: R$ 10.000,00. Com os olhos arregalados, o diretor perguntou por que um valor tão alto se o engenheiro havia apenas apertado um parafuso. A resposta do engenheiro foi categórica: “R$ 1,00 pelo aperto no parafuso e R$ 9.999,00 por saber qual parafuso apertar e quanto apertar”.

Como podemos ver na tarefa acima a grande questão não é realizar a tarefa, mas sim saber realizar a tarefa.

O que muitas pessoas fazem é levar em consideração simplesmente o processo de desenvolvimento e deixando de lado os outros processos para um bom desenvolvimento de software. Para que possamos chegar a um preço justo temos que levar em conta alguns processos: processo de comunicação, processo de planejamento, processo de arquitetura e modelagem, processo de construção, processo de implantação e por último o processo de manutenção. Bom, não vou entrar em detalhes de como medir esses processos, isso vai ficar para um próximo artigo.

Uma vez que todas as etapas foram estabelecidas chegou a hora de cobrar pela solução. A quantidade de trabalho não deve ser levado em conta, pelo menos não em primeiro plano, mas sim a qualidade do trabalho gerado e a complexidade da solução.

No momento da negociação de preço deve-se enfatizar os aspectos qualitativos e não os quantitativos, para o cliente pouco importa quantos objetos vou vai precisar construir para desenvolver a solução que ele está comprando mas sim a qualidade e funcionalidade dos mesmo.

Últimos 5 artigos de Tiago Souza

Sobre Tiago Souza

De Campinas-SP, bacharel em Ciência da Computação pela Anhanguera Educacional. Técnico em Processamento de Dados pelo Cotuca é desenvolvedor Web e trabalhou dois anos com desenvolvimento PHP e Java. Atualmente trabalha como desenvolvedor .Net (C#). Utilizando metodologia SCRUM, Também desenvolve aplicativos para Android por prazer.

Deixe uma resposta

2 pensamentos em “Quer pagar quanto?

  • Douglas - ZetaSoft

    Para complementar o comentario do Eduardo, existem algumas métricas voltadas para a produção de softwares.

    As técnicas mais conhecidas são: Análise baseada nas linhas de código (LOC), Análise baseada nos pontos de caso de uso (PCU – Utilizada junto com o padrão UML) e Análise de Pontos de Função. Para quem se interessa vale a pena dar uma estudada nesses pontos.

    Abraços

  • Eduardo Costa - Dime

    Uma das técnicas utilizada para estabelecer preços é utilizar Métricas. As métricas são dados estatísticos e reais de quanto sua empresa realmente gasta (tempo) para desenvolver certas atividades. Por exemplo, um desenvolvimento de interface de complexibilidade média gasto X tempo, ja a modelagem de um banco de dados de complexibilidade alta X tempo.. etc.. Elas ajudam nao só a estabelecer os valores como o tempo do serviço (ou desenvolvimento). O grande problema é que poucas empresas possuem esse tipo de métrica, e ela só é conseguida com dados histórico da própria empresa. Ou seja não adianta você copiar e colar as metricas de outra empresa que não se aplicara a sua.

    Abraços