Brasileiros são os primeiros a desbloquear o iPhone 3GS 2


iphone-unlocked

George Hotz, o desenvolvedor de 20 anos que descobriu o desbloqueio do primeiro iPhone, lançou um programa de jailbreak para o iPhone 3GS chamado “purplera1n“.

O software só funciona com o Windows XP ou Vista e requer a última versão do iTunes e um iPhone 3GS rodando o firmware 3.0.

Hotz explicou em seu blog passo-a-passo como fazer o jailbreak.

A empresa paulista DesbloqueioBR anunciou pelo Twitter que ela já consegue desbloquear o iPhone 3GS. Para provar, disponibilizou o vídeo abaixo em seu site. No vídeo um homem mostra o novo celular da Apple usando chips da Tim e da Claro.

Ele agradece o hacker Geohot por disponibilizar o software de jailbreak do 3GS hoje cedo. “Valeu Geohot!”

Fonte: Jornal Tecnologia

Últimos 5 artigos de Eduardo Costa

Sobre Eduardo Costa

De Campinas-SP, bacharel em Sistema de Informação pela Anhanguera Educacional e pós graduado no curso de MBA em Gestão de Projetos e Metodologia do Ensino Superior. Atualmente trabalha como arquiteto e desenvolvedor Java em empresa de desenvolvimento de software de suporte a tomada de decisão, além de ministrar aulas de Orientação a Objeto, Linguagem Java e XML. Já atuou como líder técnico, coordenador de produto e analista de negócios.


Deixe uma resposta

2 pensamentos em “Brasileiros são os primeiros a desbloquear o iPhone 3GS

  • Fausto Ferreira

    Eduardo, realmente os brasileiros tem muita capacidade para sair na frente em relação a tecnologia. São criativos e conseguem o desenvolvimento de soluções para problemas muitas vezes mais rápido do que os americanos e japoneses, que tem a fama de serem os "experts" em relação a tecnologia. O problema acho que é o marketing que falta para nós brasileiros e um pouco de incentivo a pesquisas no nosso país.

    • Eduardo Costa - Dime

      Concordo Fausto, é necessário mais investimento de incentivo a pesquisa mas o problema não é só esse. Desde o ensino fundamental não fomos estimulados a produzir conhecimento, fomos 'treinados' para sentar e assistir a aula, ouvir o professor falando, fazer a prova e pronto. É assim que me recordo boa parte do colegial. Lembro me das feiras de ciência com pouco ou quase nada de recursos, e das raras aulas práticas sobre quimica. Graças a Deus isso vem mudando mas… semanas de seminários, palestrar e incentivo a cultura acadêmica que as universidades fazem por exemplo ainda são chamadas de 'semana do saco cheio'